bueiro, me abrace forte!

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

ladeira abaixo

sou exatamente como a vodka barata: só me toleram em crises agudas de carência afetiva, profundo desespero, ruína financeira, decadência moral e amor não-correspondido.

e tudo o que tenho a oferecer são dores de cabeça, náusea, vômitos, diarreia, problemas para dormir e repulsa.

3 comentários:

Régis Eleutério disse...

eh ladeira abaixo que se azeda tudo!

.Amanda disse...

Muito boa comparação!
Em vários momentos me sinto assim tb...

alguém disse...

Você é poeta!