bueiro, me abrace forte!

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Resgates e descartes

O que eu tenho feito é exercitar as (re)descobertas: quem eu fui, por onde estive, quem amei, quem deixei, quem me deixou. Destranco gavetas, abro caixas, manuseio tickets de cinema e teatro, acesso a lista de contatos do celular, me deparo com pequenos comentários no rodapé das páginas dos livros, discretas sinceridades e mentiras explícitas. Mas que ninguém se anime: nada passa impunimente à dor. Trata-se de um pedágio caro, afinal, não é permitido que se faça a qualquer momento uma viagem deste tipo. Necessita preparo, vontade e violência. Preparo para ajustar o foco, vontade para chegar ao final e violência para resgatar ou descartar o que for encontrado pelo caminho. Não há tempo para suavidades.

Nenhum comentário: