bueiro, me abrace forte!

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Eu não comecei nada. Eu continuei. Releio tudo em busca de alguma novidade, qualquer coisa que eu não tenha dado a devida importância. Talvez eu tenha exagerado justamente na parte errada e assoprado os farelos importantes. Buscando entre os escombros que são minhas próprias palavras, são nos espaços que estão as gotas de sangue. O meu. Derramei sem perceber e sequei.

Um comentário:

Régis Eleutério disse...

ajoelhou no milho? = P

sei bem como eh, tb sequei!!!