bueiro, me abrace forte!

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Mudam as moscas, mas a merda continua a mesma

Como se o agora fosse qualquer coisa do ontem...

Você acorda e pensa que está tudo bem. Então você se lembra: não está. A sensação de que tudo está bem te escapa e você toma um golpe da realidade. É como respirar fundo e não encontrar o ar. Todas as manhãs, por todos os dias, a crença naquilo que não lhe foi dito, a dor daquilo que lhe foi tirado, a falta e o não-saber-lidar com tudo o que acontece, enfim. E ninguém saberá a menos que você conte, que você exponha a sua morte diária, seu suicídio emocional.

Nenhum comentário: