bueiro, me abrace forte!

sábado, 5 de junho de 2010

Eu fiquei de braços cruzados enquanto você preparava sua mala. Eu fiquei de braços cruzados enquanto o café em cima da mesa esfriava, e eu esfriava junto. Acho até que eu esfriava mais rápido. Não sei dizer exatamente, eu sempre acabo ficando confusa. As garrafas já estavam vazias, o cinzeiro cheio e eu continha as lágrimas, imóvel, inexpressiva.

Eu não poderia fazer nada, a não ser te ver partir.
Mais uma vez.
E assistir a tudo isso de braços cruzados.

Nenhum comentário: