bueiro, me abrace forte!

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Não ando triste, tampouco alegre. Ando bem fingida e dissimulada a ponto de sorrir para estranhos, dizer qualquer bobagem para quem quiser ouvir. Estou num estado de solidão que parece até castigo, mas não é. É apenas uma das muitas consequências dos meus atos, dessa máscara safada que eu uso, que abafa meus sentimentos. Tua falta já não me dói, nem tua indiferença. Tenho caminhado mais pelas curvas, dormido mais, me demorando na arte de viver. Descumpri algumas promessas pra esse ano, me trai, esqueci de retornar ligações, interpretei errado o que me disseram e nem tive o trabalho de me magoar. Estou desviando do mundo e dos toques humanos. Faço de caso pensado, mas nem sempre. Porque tem coisas que a gente não controla, quando percebe, já está feito e tudo bem, quem se importa? Ninguém, claro. Desmarco compromissos, não me despeço e tanto faz. Vou continuar vivendo mais um pouco para dentro de mim mesma e não me enxergar. E tudo bem.

2 comentários:

Alexandre disse...

"Tua falta já não me dói, nem tua indiferença. "
Espero , aflito, pra isso acontecer comigo..

The Rogue disse...

Chega uma hora que você se acostuma, acredite. Vai restar apenas o gosto amargo na garganta: o sabor de não ter volta.