bueiro, me abrace forte!

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010


Concluo que sou exatamente como o café: essa bebida amarga que as pessoas precisam adorçar para aturar.

Um comentário:

Régis Eleutério M. Brandão disse...

não sei como não somos a mesma pessoa...